Herpes Zóster – Tudo que você precisa saber


COMPARTILHE AGORA MESMO

Herpes Zóster pode ser compreendida como uma infecção viral que atinge a região externa do organismo, causando bolhas e inflamações severas no organismo. Esse tipo de herpes pode se manifestar em qualquer região do corpo, entretanto é mais comum o seu surgimento nas regiões do tronco e face.

A doenças se manifesta no organismo após da manifestação do vírus varicela zoster, o mesmo causador da catapora. Dessa forma, subtende-se que a Herpes Zóster é causada pelo vírus da catapora que ficou adormecido no organismo do indivíduo.

O vírus não oferece nenhum risco a vida do paciente, entretanto um imenso desconforto é causado devido às lesões do corpo decorrentes da doença. Existem vacinas que ajudam na prevenção da doença, diminuindo as chances de desenvolve-la. Da mesma forma, existem vacinas que buscam diminuir as dores decorrentes das lesões.

Causas da Herpes Zóster

Herpes Zóster

Todo indivíduo que em algum momento da vida sofreu de catapora, está sujeito ao desenvolvimento da doença. Isso ocorre porque o vírus pode permanecer latente no organismo, e com o passar dos anos, pode se manifestar novamente, porém dessa vez na forma da Herpes Zóster. O vírus pode ficar nos gânglios e viajar através das vias nervosas pelo corpo do paciente, produzindo as lesões ao longo do corpo.

Os estudos ainda não conseguiram apontar com clareza os fatores ligados ao desenvolvimento da doença no organismo. Entretanto, uma das suspeitas está relacionada a idade dos pacientes, visto que a grande maioria acometida pelo vírus são pessoas com idade superior a 60 anos. O sistema imunológico também é cogitado como um fator associado ao desenvolvimento da doença, uma vez que pessoas com imunidade baixa estão mais suscetíveis ao desenvolvimento da doença.

Herpes Zóster é contagioso?

A transmissão do vírus varicela zoster é raro, porém ainda é possível ocorrer. A transmissão se dá devido ao contato direto entre a pessoa portadora do vírus e o outro indivíduo não imune ao vírus. Com a transmissão da varicela zóster, o contaminado estará mais propenso ao desenvolvimento de catapora e futuramente o Herpes Zóster.

Fatores de risco

Como dito anteriormente, o simples fato de ter sofrido de catapora em algum momento da vida aumenta deliberadamente as chances de se desenvolver Herpes Zóster. Entretanto, existem outros fatores que contribuem para a manifestação do vírus no organismo do indivíduo, como:

Idade

A idade é um fator relevante no desenvolvimento da Herpes Zóster. Isso porque a maior parte do público acometido com a doença tem idade entre 50, 60 anos ou mais. Em casos de idade mais avançada, como idosos com idade igual ou superior a 85 anos, as chances aumentam ainda mais, podendo chegar a inacreditáveis 50%. Então, é de suma importância ficar atento às erupções na pele de idosos com essa faixa etária.

Sistema imunológico frágil

Mais um dos fatores relevantes para o desenvolvimento da doença, é o sistema imunológico debilitado. Isso ocorre principalmente em pessoas que sofrem com doenças que atacam diretamente as proteções do corpo, como paciente que sofrem com câncer ou AIDS.

Tratamentos imunossupressores

Nos tratamentos de determinadas doenças, existe a utilização de imunossupressores. Nesses casos, existe maior possibilidade de desenvolvimento da doença, devido a sua debilitação da saúde do paciente. Um exemplo muito comum, são pacientes que estão realizando tratamento contra algum tipo de câncer.

Medicamentos de uso contínuo

O uso contínuo de alguns medicamentos pode acarretar diretamente na redução da imunidade do organismo dos indivíduos. Nesses casos, ocorre uma debilitação do sistema imunológico, o que aumenta as chances de desenvolvimento do vírus causador da Herpes Zóster.

Sintomas da Herpes Zóster

A Herpes Zóster pode manifestar-se em qualquer região do organismo do paciente. É comum o seu surgimento em apenas um lado do organismo, entretanto, isso não exclui a possibilidade do surgimento de mais de uma lesão no organismo.

A doença se manifesta no organismo através de fases, conheça elas:

Período de incubação

Esse período da doença antecede o surgimento das lesões no organismo. Os seus principais sintomas são:

  • Dores, mesmo quando ainda não existem lesões cutâneas;
  • Ardor e sensação de formigamento próximo às regiões afetadas pela doença;
  • Calafrios;
  • Distúrbios gastrointestinais.

Os seguintes sintomas surgem no organismo antes de mesmo de qualquer lesão. Os sintomas podem persistir mesmo durante as lesões cutâneas terem se manifestado no organismo do paciente.

Fase ativa da doença

Está fase da doença é caracterizada principalmente pelas erupções cutâneas nos indivíduos. Inicialmente, os fluidos presentes nas lesões podem ter coloração clara, porém, podem mudar de cor ao longo do tempo. Os ferimentos podem ser mais leves em alguns casos e mais agressivos em outros, cada caso é particular.

Acerca das lesões na pele, podem ocorrer:

  • Podem ocorrer na face, como dito anteriormente. Nesses casos, ela pode se manifestar na testa, nariz ou até mesmo próxima aos olhos.
  • As lesões na pele costumam ser bem doloridas;
  • As lesões cutâneas diminuem, gerando crostas na pele que podem durar por até 5 dias.

Essa fase da doença costuma ter uma duração de duas a quatro semanas. As erupções no organismo podem deixar cicatrizes.

Fase crônica da Herpes Zóster

Essa fase da doença é a que persiste mesmo após cicatrização das lesões cutâneas nos pacientes. Infelizmente essa fase da doença é muito comum entre os pacientes, podendo acometer até 15% dos pacientes da doença. Os seus sintomas podem durar 30 dias, alguns meses ou até mesmo anos.

Entre os seus principais sintomas, estão:

  • Queimação e desconforto nas regiões afetadas pelas lesões cutâneas;
  • Dor latente no local das lesões;
  • Sensibilidade no local afetado pelas lesões.

Não raro, as dores persistentes da doença são confundidas com outras doenças. Nesses casos, é bom sempre buscar ajuda de um profissional da saúde.

Tratamento da Herpes Zóster

Ainda não existe uma cura para a doenças. Dessa forma, o tratamento da doença consiste na utilização de antivirais e demais medicamento que ajudem na recuperação e diminuição dos sintomas no organismo do indivíduo. Algumas das medidas tomadas durante o tratamento são:

  • Medicamentos contra o vírus;
  • Uso de analgésicos;
  • Prevenção de infecções secundárias;

É importante buscar ajuda assim que desconfiar da doença. Isso porque o diagnóstico precoce faz total diferença para evitar complicações possíveis no quadro clínico do paciente.

Deixe uma resposta