Apendicite Sintomas – Tudo o que você precisa saber


COMPARTILHE AGORA MESMO
Avalie este post

A apendicite é uma doença na qual, ocorre a inflamação do apêndice, um órgão que fica perto do intestino grosso e que pode causar dor quando inflamado.

Quando uma pessoa tem apendicite, sente uma dor na região do abdômen, que pode ser maior ou menor de acordo com a idade e como o apêndice está localizado. Quando ele está inflamado, o paciente começa a sentir uma dor que vai se intensificando perto do umbigo, mas que vai se alastrando por todo o abdômen com o passar de 12 a 18 horas.

O apêndice pode se abrir dentro do corpo da pessoa e a sensação de dor pode sumir durante um tempo. Porém quando a camada de tecido que envolve a cavidade do abdômen se inflama e fica infectada, a dor se torna aguda ao se mexer.

Sintomas apendicite

apendicite

Além da forte dor do abdômen, o paciente, também, sente pouca fome, pode ter febre baixa, sentir enjoo, e chegar a vomitar. Quando a dor se agrava, é comum aparecerem outros sintomas como constipação, ter diarréia e calafrios com tremores pelo corpo.

Se você sentir dor abdominal e mais alguns desses sintomas por mais do que 12 horas, procure ajuda médica e diga todas as sensações para tirar as dúvidas e fazer um diagnóstico. Provavelmente, ele irá fazer o exame físico e irá perguntar sobre onde sente dor e qual a intensidade.

Como a apendicite aparece?

A apendicite acontece quando a bactéria que vive no apêndice começa a se desenvolver demais. Isso leva ao inchaço no abdômen e a inflamação com pus que causa muita dor.

Os motivos que levam a multiplicação da bactéria e a inflamação não são precisos, porém existem 2 fatores conhecidos que é o acúmulo de gordura ou fezes e uma infecção perto do apêndice causada por vírus.

Existem fatores de risco?

Não existem fatores de risco e qualquer pessoa pode desenvolver uma inflamação no apêndice, mas é mais comum que aconteça com pessoa dentro da faixa etária dos 10 a 30 anos.

Médico e exames

Os médicos mais indicados para fazer o diagnóstico são o clínico geral ou um cirurgião abdominal. Para fazer o diagnóstico, é preciso fazer exames de sangue, urina, físico e um raio X.

O exame de sangue vai ajudar a mostrar a quantidade de glóbulos brancos que existem dentro do sangue da pessoa e, se estiver  mais alto do que é considerado o normal, significa que existe alguma infecção no organismo.

Já o exame de urina, é feito com o objetivo de confirmar o diagnóstico e eliminar a possibilidade de pedras nos rins. Ele vai determinar o que está causando que os sintomas e como estão os glóbulos vermelhos do sangue.

A primeira coisa que o médico faz é o exame físico que é o mais preciso, ao usar as mão para pressionar a área em que o paciente está sentindo dor. Conforme a sensação de dor aumenta com a pressão e os músculos do abdômen ficam rígidos, o diagnóstico de apendicite se torna mais fácil de definir.

Há uma grande possibilidade do médico pedir um exame de raio X da região abdominal e, em  alguns minutos, saem as imagens que serão analisadas para o diagnóstico preciso e correto.

Tratamento apendicite

O diagnóstico definitivo ocorre através da descrição dos sintomas do paciente, pelo exame físico e de laboratório. É importante definir um nível para a dor no abdômen, pois ela vai oscilando de acordo com o tempo, pois há diversos outros motivos para uma pessoa sentir dor nessa região do corpo.

O tratamento da apendicite é através de uma cirurgia com anestesia em um hospital chamada de apendicectomia, para retirar o apêndice que está inflamado. O apêndice não é um órgão necessário para o funcionamento normal do corpo, sendo assim, ele é retirado durante o processo cirúrgico.

Com a cirurgia sendo bem feita, sem qualquer tipo de imprevistos e com o apêndice inteiro, a remoção pode ser feita logo após o diagnóstico.

Tipos de cirurgia no apêndice

Existem 2 tipos de cirurgia para retirada do apêndice que será determinada pelo médico, a primeira é através da incisão e a segunda por uma laparoscopia.

Durante a cirurgia de incisão, o médico faz uma corte (incisão) de 5 centímetros no lado direito, acima do apêndice, para a sua retirada. A laparoscopia é uma intervenção cirúrgica, onde são feitos 3 pequenas perfurações no abdômen para colocar uma câmera para poder observar o apêndice e removê-lo. Esse método é menos desagradável que o primeiro e permite que o paciente se recupere mais rápido.

Existem complicações?

Pode de sim ter complicações. O grande problema ocorre quando a apendicite não é diagnosticada e tratada rapidamente e o apêndice acaba se abrindo dentro do corpo, espalhando o pus acumulado para  dentro do abdômen e se espalhando para os órgãos próximos.

O médico, geralmente, indica um enxugamento do apêndice e do pus através de um tubo colocado embaixo da pele e com o auxílio de remédios.

Sem um tratamento correto e rápido, a apendicite pode evoluir para uma peritonite, que é rompimento do apêndice que causa a inflamação na cavidade abdominal,   causar um acúmulo de pus no abdômen ou pode juntar de forma anormal os órgãos abdominais ou a superfície da pele.

Recuperação

Quando o apêndice é retirado sem ter se rompido, a cirurgia para a retirada é o suficiente e a pessoa já se sente melhor depois que a cirurgia é feita. Quando ele se  rompe antes de um procedimento cirúrgico, a recuperação é mais devagar e podem haver complicações, como o aparecimento de abscesso, sendo necessário um tempo para observação no hospital.

Ter apendicite é algo normal, por isso, não existem métodos preventivos.

Deixe uma resposta