Amigdalite: o que é, sintomas, como tratar e tem cura?


COMPARTILHE AGORA MESMO

O que é amigdalite?

Amigdalite pode ser compreendida como uma inflamação que acomete as amigdalas. A inflamação pode ser multifatorial e se não tratada pode trazer problemas na saúde, tornando necessária a remoção das amigdalas. A inflamação ocorre especialmente em períodos de inverno, quando o ar está mais seco e ambientes fechados tornam mais fáceis a contaminação pelo ar.

As amigdalas estão localizadas na parte lateral do pescoço e na parte posterior da boca. O papel desempenhado pelas amigdalas são imprescindíveis para manter a saúde do organismo como um todo, visto que elas impedem que bactérias e demais micro-organismos causam infecções.

Amigdalite

Tipo de amigdalite

A amigdalite possui algumas variações, as quais vão variar de acordo com a forma que a inflamação foi contraída. Confira os tipos de amigdalite:

Amigdalite bacteriana

Esse tipo de amigdalite é causado exclusivamente por bactérias, sendo a forma mais comum da doença a amigdalite estreptocócica que é causada pela bactéria Streptococcus pyogenes. Nesse tipo da doença, por se tratar de uma doença causada por bactérias, exige um tratamento mais específico que consiste na administração de doses de antibióticos.

Amigdalite viral

Uma forma mais branda da doença, a amigdalite viral é causada por agentes virais. Embora esse tipo consista em um ataque de vírus às amigdalas, esse tipo da doença é mais simples e fácil de ser tratada, podendo ser facilmente controlada com medicamentos na própria residência.

Dentre as variações da doença, podem ser apontados dois subtipos da doença, confira quais são eles:

Amigdalite crônica

Esse subtipo da doença é recorrente e pode acontecer diversas vezes ao longo do ano. Entre os principais sintomas apresentados pelos pacientes, estão: inflamações e dores na garganta, mau hálito e nódulos cervicais persistentes. O tratamento para esse subtipo consiste em diminuir a recorrência da doença.

Amigdalite aguda

A amigdalite aguda costuma ter menor reincidência e pode durar um período de duas semanas ou mais. Os pacientes que sofrem com esse subtipo da doença, sofrem com ronco, apneia do sono e dificuldade na respiração, devido a obstrução das vias aéreas.

Causas

Os principais fatores ligados às causas da amigdalite são as infecções causas por vírus e bactérias. As amigdalites causadas por vírus são mais comuns, porém, os casos de bactérias também acometem com grande frequência os indivíduos. Entre os principais causadores da amigdalite bacteriana está o estreptococo do grupo A. Entretanto, esse agente não é o único causador, podendo ocorrer a doença causada por bactérias anaeróbias, Neisseria gonorrhoeae, Mycoplasma pneumoiae, Chlamydia pneumoiae e Corynebacterium diphtheriae.

Sintomas da amigdalite

Amigdalite

A Amigdalite pode apresentar uma série de sintomas nos pacientes. Confira alguns dos principais sintomas apresentados:

  • Inchaço nas amígdalas e vermelhidão podem ser facilmente notadas. Esse sintoma costuma ser de fácil percepção e costuma desencadear outros.
  • Formação de placas brancas ou amareladas nas amígdalas;
  • Dores na garganta, que na maioria das vezes está associada aos inchaços formados nas amígdalas;
  • Dificuldades para engolir é mais um dos sintomas apresentados por quem sofre com a doença. O sintoma pode ser em decorrência do inchaço apresentado incialmente pelo paciente, mas não necessariamente segue uma ordem, é possível que o paciente apresente dificuldades para engolir antes mesmo de apresentar o inchaço;
  • Febre, decorrente da infecção;
  • Nódulos linfáticos no pescoço;
  • Mau hálito;
  • Dor de cabeça.

Diagnóstico da Amigdalite

O diagnóstico da doença pode ser feito facilmente e não costuma ser demorado. Em um primeiro momento o médico irá procurar por manchas vermelhas, formação de placas de cor branca ou amareladas e nódulos linfáticos. O médico também desejará saber sobre os sintomas apresentados e o seu histórico médico.

Mesmo com diagnóstico fácil, o médico poderá exigir que você realize alguns exames para dá um resultado mais assertivo acerca da doença. Alguns dos exames que podem ser exigidos são:

  • Contagem de células sanguíneas;
  • Teste de mononucleose;
  • Exame rápido para detecção Estreptococo;
  • Cultura de secreção da garganta.

Tratamento da Amigdalite

O tratamento da Amigdalite consiste basicamente no controle dos sintomas apresentados nos pacientes. Nos casos mais simples da Amigdalite, o seu médico possivelmente irá prescrever medicamentos para acabar com a inflamação e as dores. Em casos mais graves onde a Amigdalite é causada por uma bactéria o tratamento da doença consiste na administração de antibióticos para combater a bactéria causadora da infecção. Caso você apresente um subtipo, os quais são caracterizados pela recorrência ou não, pode ser necessário a remoção das amígdalas, porém somente um médico poderá avaliar se isso é ou não necessário.

Cirurgia e recuperação

Em casos onde existe uma reincidência dos casos de amigdalite, é comum e até mais saudável a remoção das amígdalas. O processo de remoção das amígdalas é chamado de amigdalectomia e pode ser sugerido não somente nos casos de reincidência da doença, mas também quando ocorre obstrução das vias respiratórias ou em casos de ineficácia do tratamento adotado.

A cirurgia de remoção das amígdalas costuma ser bem rápido e não costuma comprometer o paciente em qualquer atividade, sendo assim, o mesmo recebe alta logo após a cirurgia. Entretanto, é fundamental o repouso para que a recuperação seja a mais tranquila possível. Durante esse processo de recuperação, é imprescindível o consumo de bastante líquido e evitar ao máximo alimentos e líquidos quentes. Durante esse período de recuperação também é comum sentir dores na garganta, porém nada que de muito grave.

Amigdalite tem cura?

A amigdalite não costuma ser uma doença que acomete de forma fatal os pacientes. Porém, em casos onde a doença não é tratada sérios danos à saúde podem ser causados. Por isso, assim que diagnosticado o caso de amigdalite é fundamental manter o paciente em local isolado para evitar a transmissão, assim como iniciar o tratamento o mais rápido possível para evitar qualquer tipo de complicação possível.

Deixe uma resposta